TERMINOU A CAMPANHA PORTUGUESA NO VIANA WORLD BODYBOARD CHAMPIONSHIPS

O Fado de Dino Carmo voltou a tocar
em dia marcado por um francês voador
 
 
O penúltimo dia do Viana World Bodyboard Championships, que decorre até amanhã na Praia da Arda, em Viana do Castelo, foi também o dia da despedida das esperanças portuguesas, com os juniores Marco Vieira e Miguel Ferreira a serem eliminados nos quartos de final do projunior e o nazareno Dino Carmo a sofrer o mesmo destino às mãos do sul-africano Tristan Roberts, nos quartos da competição Open.
 
Com os juniores a entrarem na água logo de manhã, Marco Vieira foi o primeiro a ser afastado, frente a Noah Capdville, bodyboarder francês com “pedigree”, ou não fosse ele filho do antigo campeão do Mundo, Nicolas Capdeville. O bodyboarder do Porto perdeu com 9.20 contra 11.08 do gaulês.
 
Pouco mais tarde, foi a vez do carcavelense Miguel Ferreira, que chegou a liderar a bateria frente ao espanhol Javier Zerpa mas que não teve a sorte da bateria e cedeu com desvantagem marginal de 12.40 contra 12.90.
 
Mas o verdadeiro golpe de misericórdia lusa veio na derradeira bateria do campeonato, nos quartos de final Open. Dino Carmo, que na ronda 5 se tinha superiorizado ao francês Maxime Ausina, teve uma batalha intensa com o talentoso sul-africano Tristan Roberts, mas perdeu na última onda da bateria, a 30 segundos do fim. Roberts “inventou” um backflip [manobra aérea em que o atleta faz uma espécie de mortal para trás] e arrancou um oito dos juízes, derrotando inapelavelmente o nazareno que não viu nem mais uma onda formar-se para tentar um contra-ataque.
 
Obviamente desolado, Dino Carmo resumiu assim a fatídica bateria: “Foi uma derrota amarga porque, mais uma vez, perco na última onda. Estava em vantagem mas sabia que Tristan é muito perigoso e tentei afastá-lo do pico para que não apanhasse nenhuma onda. Infelizmente, apareceu aquela direita mesmo ao gosto dele e percebi logo que estava perdido. Talvez na minha última oportunidade devesse ter arriscado mais, mas joguei pelo seguro para ficar à frente e não imaginei que aquilo fosse acontecer.”
 
Todavia, o quinto lugar em Viana pode ser positivo para Dino, que luta pela requalificação para o acesso direto aos “Grand Slam” [provas principais que definem o campeão mundial]. “Sim, este resultado pode ser decisivo para mim, mas ainda há resultados para cair e contas para fazer”, explicou o último português em prova no Viana World Bodyboard Championships.
 
Pierre Louis Costes dominador
 
Quem, entretanto, não deu qualquer hipótese à concorrência foi Pierre Louis Costes, bicampeão mundial francês que reside em Portugal há vários anos. PLC, como também é conhecido no meio, fez hoje uma onda de 10 e um 9,5 distribuídos pelos seus dois heats do dia, (frente ao canário Kevin Orihuela, na ronda 5, e ao brasileiro Uri Valadão nos quartos), assumindo-se como grande candidato à vitória na Praia da Arda, sobretudo à luz da eliminação do atual campeão, Iain Campbell, da África do Sul.
 
Campbell não resistiu ao surf afinado do basco Alex Uranga nos quartos de final (11.00 contra 13.25) e não poderá revalidar o título de campeão da prova vianense.
 
Pierre Louis Costes, ainda assim, não embandeirou em arco com a prestação excecional do dia e mantém-se cauteloso para a jornada decisiva da prova minhota: “Foi um dia bastante divertido. Temos tido muita sorte com as ondas neste evento. Não estava à espera daquele 10 pois a onda era muito boa mas não pensei que a manobra saísse tão bem. Amanhã é outro dia e só restamos quatro pelo que vai ser, obviamente, muito difícil.”
 
Amanhã termina o Viana World Bodyboard Championships, com o Open e o projunior que, recordamos, decide o campeão mundial sub-18 da Association of Professional Bodyboarders (APB).
 
Boas Ondas! Melhor Bodyboard
Viana do Castelo, 29 de setembro de 2018